Skip to content

ziguezague de ABERTURA e conversas TRANVERSAIS_

abril 4, 2016

Ana Paula de Campos e Cristiane Mesquita iniciaram o DCzz destacando a importância de um pensamento em ziguezague, capaz convocar pensamentos díspares e diferenças potenciais. A proposta encontro parte de um disparador que coloca em vibração o campo do Design entre Arte e Filosofia. Para tanto, o mote é a provocação do filósofo tcheco Vilém Flusser sobre o termo design, e a proposta curatorial da exposição Disobedient Objects (Victoria and Albert Museum, Londres, 2014).

Para a ABERTURA, Gavin Grindon, curador da exposição, apresentou objetos criados por e para movimentos sociais, protestos e proteção contra a violência policial. Diversos exemplos tais como os livros do movimento Book Bloc conferem às manifestações uma expressividade para além do enfrentamento em si, desafiando não só os formatos, mas também conferindo bom humor, ironia e ludicidade a algumas ações, de modo que os objetos podem ser vistos como agentes de múltiplas significações.

Em transversal, o pesquisador André Mesquita, autor de Mapas dissidentes: proposições sobre um mundo em crise (1960-2010), trouxe sua investigação sobre um conjunto de diagramas produzidos por artistas e ativistas a partir de diferentes investigações de âmbito social, político e econômico. Tema do seu doutorado, André apresenta essas cartografias como mapeamentos capazes de dar visibilidade às relações complexas que advém das disputas pela representação, no um jogo de mostra e esconde que atravessa as redes daquilo que pode se tornar visível ou se manter no campo do não dito.

Nas Conversas TRANSVERSAIS da tarde, Vinicius Spricigo discutiu o espaço expográfico do Masp a partir do retorno para o museu dos cavaletes projetados por Lina Bo Bardi, nos anos 1960. A fala enveredou pela discussão da arte como mercadoria, a partir do proposto pelo filósofo Walter Benjamin no seu clássico “A obra de arte na era da reprodutibilidade técnica”. Vinicius discutiu o quanto os museus e as galerias, de algum modo, estão se assemelhando a espaços de consumo.

O escritor Juliano Pessanha finalizou a mesa apresentando a filosofia de Peter Sloterdijk e de seu pensamento que ressalta a forma das esferas para pensar o mundo. Explorou a ideia de que a cultura possa funcionar como forma imunológica de defesa, “uma espécie de design imunológico que recebe a forma-sujeito”. A passagem de uma esfera a outra foi ilustrada por meio de objetos trazidos por ele.

1794667_1262877710407581_5671749640025508852_n

12920242_1262877713740914_1885170122830299499_n

12717897_1262877770407575_7633220811963771492_n

12932785_1262877783740907_4957074275351571625_n

12417508_1262877810407571_3223825858695780522_n

12923168_1262877843740901_8010542322425343546_n

12963752_1262877850407567_1357888427284197591_n

Anúncios
No comments yet

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: